Pensamentos

Setembro 15 2011

 

 

O PONTO NEGRO...

Certo dia, um professor disse aos alunos para
se prepararem para uma prova-relâmpago.

O professor foi entregando, então, a folha da prova com a parte do
texto virada para baixo.

Para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um
ponto negro, no meio da folha.

O professor,  disse:

- Agora, vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.

Todos os alunos, confusos, começaram, então, a difícil e
inexplicável tarefa.

Terminado o tempo, o mestre recolheu as folhas, colocou-se na frente da
turma e começou a ler as redações em voz alta.

Todas, sem exceção, definiram o ponto negro, tentando dar
explicações por sua presença no centro da folha.

Terminada a leitura, a sala em silêncio, o professor então começou a
explicar:

- Esse teste não será para nota, apenas serve de lição para todos
nós. Ninguém na sala falou sobre a folha em branco.

Todos centralizaram suas atenções no ponto negro. Assim acontece em
nossas vidas. Temos uma folha em branco inteira para observar e
aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros. A vida é um
presente dado por DEUS a cada um de nós, com extremo carinho e
cuidado.

Temos motivos para comemorar sempre.

No entanto, insistimos em olhar apenas
para o ponto negro!

Os pontos negros são mínimos em comparação com tudo aquilo que temos
diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.

Pense nisso!

Tire os olhos dos pontos negros de sua vida.

publicado por pensamentoslucena às 12:35

Setembro 15 2011

 

 

  Por que um coração escolhe o outro, nunca vou saber. Há coisas para as quais não temos respostas, nem explicações, são mistérios da vida.
Às vezes o amor toma conta da gente sem pedir licença. Chega devagarinho, muitas vezes disfarçado, invade e pronto: se instala! E mesmo se dizemos não, ele fica lá, teimoso, empacado. E aí não tem jeito, precisamos conviver com ele, aceitá-lo. Porque ele não desiste facilmente uma vez que decidiu enviar as flechas numa determinada direção.

Ele contraria nossas regras, às vezes mesmo nossos gostos, nos faz fazer coisas que antes julgávamos ridículas, nos deixa bobos e felizes. Muda nossos hábitos, nos faz amar música lenta, sonhar acordados e passar noites em claro, ou então nos acorda em plena madrugada. E nos faz ver estrelas, gostar de lua e de poesia. Ah! O amor nos faz perder o juízo!

Torna adolescentes em adultos e velhos em adolescentes: não existe regra, não existe idade, não existe nada além dele. Se é surpresa para corações jovens, para os mais vividos é um presente dos céus, pois chegou na hora em que não se acreditava mais possível. A esse é dado mais valor, nem mesmo tem preço.

Ele nos faz andar sem ter os pés na terra, nos dá asas, nos transporta e muitas vezes nos fere. Mas de ferida boa, dessas que a gente sofre mas conhece o remédio. Ah! E esse remédio!... Cura tudo, esquece tudo. A raiva da manhã já não tem mais o mesmo sentido à noite. O amor passa esponja como ninguém, só ele mesmo é que conta.

E esse amor que nos libera e nos deixa cativos é também a razão da nossa esperança, porque nos motiva, nos incita a ir mais além, nos dá força e coragem, mesmo se às vezes parece nos deixar débeis e frágeis. Mas ele é contraditório e, por isso mesmo, fascinante. Com ele vivemos; sem ele, apenas passamos pela vida. São assim as coisas do amor.

 

Letícia Thompsoncontact@leticiathompson.net

publicado por pensamentoslucena às 10:54

Setembro 15 2011

 

 


“Esperamos demais para fazer o que o que precisa ser feito,
num mundo que só nos dá um dia de cada vez,
sem nenhuma garantia do amanhã...
Enquanto comentamos que a vida é curta,
agimos como se tivéssemos à nossa disposição
um estoque inesgotável de tempo.
Esperamos demais para dizer
as palavras de perdão que devem ser ditas.
Para por de lado dos rancores que devem ser expulso,
para expressar gratidão,
para dar ânimo, para oferecer consolo.
Esperamos demais para ser generosos,
deixando que a demora diminua a alegria de dar espontaneamente.
Esperamos demais para ser pais de nosso filhos pequenos,
esquecendo quão curto é o tempo em que eles são pequenos,
quão depressa a vida os faz crescer e ir embora.
Esperamos demais para dar carinho
aos nossos pais, irmãos e amigos.
Quem sabe quão logo será tarde demais?
Esperamos demais par ler os livros, ouvir músicas,
ver os quadros que estão esperando
para alargar nossa mente, enriquecer nosso espírito,
expandir nossa alma.
Esperamos demais para enunciar as preces
que estão esperando para atravessar nosso lábios,
executar as tarefas que estão esperando para serem cumpridas,
para demonstrar o amor que talvez não seja mais necessário amanhã.
Esperamos demais nos bastidores, quando a vida tem um papel no palco.”

publicado por pensamentoslucena às 10:28

Pensamentos, reflexões e otimismo para seu dia!!!
mais sobre mim
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
17

18
21
24

25


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO