Pensamentos

Agosto 16 2012

 

 

 

 

Venha comigo à prisão mais povoada do mundo. A instalação tem mais "pensionistas" do que beliches. Mais prisioneiros do que pratos. Mais "moradores" do que recursos.

Venha comigo à prisão mais opressiva do mundo. É só para prisioneiros, dirão à você. Eles são sobrecarregados de trabalho e são subalimentados. As paredes são nuas e os beliches são duros. Nenhuma prisão é tão povoada, nenhuma prisão tão opressiva, e, o principal, nenhuma prisão é tão permanente. A maioria dos internos nunca partem. Eles nunca fogem. Eles nunca são soltos. Cumprem uma pena de prisão perpétua nesta superlotada e mal provida instituição.

O nome da prisão? Você verá sobre a entrada. Em um arco sobre o portão estão as seis letras de ferro que explicitam seu nome: Q-U-E-R-E-R A prisão do querer. Veja seus prisioneiros. São os "que querem". 
Eles querem algo. Eles querem algo maior. Mais caro. Mais rápido. Mais fino. Querem.

Eles não querem muito, pensa você. Querem apenas uma coisa. 
Um novo trabalho. Um novo carro. Uma nova casa. Um novo esposo. Eles não querem muito. Querem somente um.

E quando têm o "um," estarão felizes. Está certo - estarão felizes. Quando eles têm o "um," deixarão a prisão. Mas então acontece. 
O aroma do carro novo passa. O novo trabalho envelhece. 
Os vizinhos compram um televisor maior. O novo esposo tem maus hábitos. E antes do que você imagina, outra vigarice quebra o livramento condicional e retornam à prisão.

Você está na prisão? Você se sente melhor quando tem mais e se sente pior quando tem menos. Você estará feliz se estiver à caminho uma nova entrega, uma transferência, um prêmio ou uma remodelação. Se sua felicidade vem de algo que você deposita, dirige, bebe ou digere, então encare - você está na prisão, a prisão do querer...

publicado por pensamentoslucena às 13:31

Agosto 16 2012

 

 

 

 

Conta-se que, há muito tempo, um sábio e habilidoso homem, prestava serviços de secretário a um poderoso Rei.

Todos o buscavam a fim de obter as mais variadas orientações e conselhos.O sábio homem os atendia sempre com paciência e bondade.Esclarecia a alguns, dava conselhos a outros.

Procurava destruir as superstições e crendices dos fracos e ignorantes, mostrando-lhes que nenhuma relação poderá existir, pela vontade de Deus, entre os números e as alegrias, tristezas e angústias do coração.

E procedia dessa forma, guiado por elevado sentimento de altruísmo, sem 
visar lucro ou recompensa.

Certa vez um mercador, empunhando um papel cheio de números e contas, veio queixar-se de um sócio a quem tratava de ladrão miserável e outros qualificativos não menos insultosos. O sábio tentou acalmar o ânimo exaltadíssimo do homem e chamá-lo ao caminho da mansidão.

Aproximou-se e falou-lhe calmamente.

- Acautelai-vos contra os juízos arrebatados pela paixão, porque esta desfigura muitas vezes a verdade. Aquele que olha por um vidro de cor, vê todos os objetos da cor desse vidro: se o vidro é vermelho, tudo lhe parece rubro; se é amarelo, vê tudo amarelado. A paixão está para nós como a cor do vidro para os olhos. Quando alguém nos agrada, é fácil desculpar; se, ao contrário, nos aborrece, condenamos ou interpretamos de modo desfavorável.

A seguir, examinou com paciência as contas e descobriu nelas vários enganos que desvirtuavam os resultados. O sábio certificou-se de que o homem, havia sido injusto para com o seu sócio, e  o homem, tão encantado ficou com a maneira inteligente e conciliadora do sábio, que saiu dali com o coração modificado.

Muitas vezes o nosso ponto de vista nos permite perceber apenas uma face deturpada da realidade.Não é raro acreditar cegamente em equívocos, graças ao nosso orgulho exacerbado e ao nosso velho egoísmo.

Antes de adotar qualquer postura de confronto ou de sofrimento, é necessário abandonar os "vidros coloridos" que utilizamos para ver e analisar o mundo e as pessoas.

A imparcialidade perante a vida é uma posição que devemos buscar incansavelmente, a fim de garantir aos nossos atos, palavras e pensamentos, 
a justiça que desejamos encontrar nos outros.

 

publicado por pensamentoslucena às 12:55

Agosto 16 2012

 

 

 

Li que na China Antiga, as pessoas queriam segurança contra as hordas bárbaras ao norte então construíram a grande muralha chinesa. Era tão alta que sabiam que ninguém conseguiria escalar e tão forte que nada poderia quebrá-la. Eles se tranqüilizaram e podiam aproveitar sua segurança.

Durante os primeiros cem anos de existência da muralha, a China foi invadida três vezes. O inimigo não escalou a muralha em nenhuma destas invasões e nem quebrou a muralha. Em cada uma delas, eles subornaram um guardião dos portões e entraram marchando pelos portões.

Os chineses estavam tão ocupados com as paredes de pedra que se esqueceram de ensinar integridade a suas crianças. Em outras palavras eles foram derrotados por dentro.

Israel confiou em seu poder militar e virou as costas à Deus e suas leis - e foi conquistado. Roma antiga confiou em seu poder militar mas deixaram a vida correr desenfreada, também foram finalmente derrotados e foram destruídos por dentro.


O mesmo princípio se aplica aos indivíduos. De nada adianta construir armaduras de proteção. Se não houver vigilância aos próprios pensamentos e atitudes, acaba sendo destruído por dentro.

publicado por pensamentoslucena às 12:52

Agosto 16 2012

 

 

 

 

 

 

 

 Certa vez um grupo de amigos se reuniu para uma caminhada na selva. Iniciaram uma caminhada de quase 20 km, iniciando a jornada logo pelo amanhecer.

No meio da manhã, o grupo se deparou com um trecho abandonado de estrada de ferro. Cada um deles, na sua vez, tentava andar pelos trilhos que eram muito estreitos.

Mas após alguns passos inseguros eles perdiam o equilíbrio e caíam. Depois de observar um após outro caírem, dois deles propuseram aos demais uma aposta surpreendente.

Disseram que poderiam andar o trecho inteiro sem cair sequer uma vez. Os outros meninos riram e disseram:
- Impossível, vocês não vão conseguir!...

Desafiados a cumprir a promessa, os dois meninos subiram nos trilhos, cada um ficou em um dos trilhos paralelos, e simplesmente estenderam o braço um em direção ao outro e deram as mãos para equilibrar-se... e assim andaram com toda estabilidade pelo trecho inteiro, sem dificuldades.

Essa pequena história mostra que trabalho em equipe começa dando-se as mãos!

Mostra o quanto a criatividade e o senso de cooperação podem contribuir para solucionar os problemas que enfrentamos seja na empresa ou em nossa vida pessoal.

publicado por pensamentoslucena às 11:43

Agosto 16 2012

 

 

 

 

 

Estava um homem de grande sabedoria a passear por estreita rua, quando uma criança perguntou-lhe:- Moço, como eu posso ser a luz do mundo, se sou tão pequeno?

O homem respondeu:
- Vou-lhe mostrar... arranje-me uma caixa com fósforos.

O menino rapidamente entrou em sua casa e trouxe-lhe a caixa. Disse então o homem: - Imagine que você é esse fósforo – o homem então acendeu o fósforo – se você encostar este fósforo aceso em um outro fósforo apagado o que irá acontecer?

O menino sem entender respondeu: - Irá acender o outro fósforo.- E se eu encostar outro fósforo, ele irá acender?

- Sim – respondeu o menino.

O homem então concluiu:
- Você é o fósforo aceso, isto é, a luz do mundo.
Os fósforos que eu encostei no fósforo aceso, são as pessoas
a sua volta.

Perceba que quando eu encostei o fósforo apagado no aceso este imediatamente acendeu.

Não importa o tamanho ou idade das pessoas todos podemos e devemos ser a luz do mundo, pois essa “luz” funciona da mesma forma que o fósforo aceso, ele passa a sua chama para todos que estão próximos dele.

Portanto importe-se apenas, em ser uma chama de qualidade superior e não apenas uma chama qualquer. 

 

publicado por pensamentoslucena às 11:31
Tags:

Agosto 16 2012

 

 

 

O que sei sobre a Paz é que ela não é como flor que se semeia e cresce sozinha. O que sei sobre a Paz é que ela parece uma construção, que precisa  ser feita todos os dias e por muita gente.

O que aprendi sobre a Paz é que é preciso sonhá-la e semeá-la como jardineiro, mas construí-la como pedreiro. E às vezes é preciso começar como servente de pedreiro.

O que sei sobre a Paz é que ela não é um ato isolado, deste que a gente faz de vez em quando, como se fosse festa ou imposição das circunstâncias.

O que sei sobre a Paz é que ela não é uma experiência passageira, dessas que são muito interessantes e bonitas na hora, mas que depois não influenciam em nada a nossa vida.

O que sei sobre a Paz é que ela precisa ser constante, cotidiana, permanente, teimosamente repetida até que se torne um hábito. A gente deveria sentir-se mal quando não a promove.

O que sei sobre a Paz é que ela é como um grande amor, ao qual a gente se apega tanto que não consegue ficar longe, nem passar um dia sem algum gesto especial de carinho.

O que sei sobre a Paz é que, como um bom hábito de muitos anos, quem a vive não consegue se imaginar sem aquele gesto ou aquela atitude. A vida fica mais pobre sem ela.

O que sei sobre a Paz é que ela não é tarefa de fazer as coisas pelos outros  e sim atitude de ser alguém na vida dos outros.

Não é denúncia, nem agressão, nem luta, nem combate, nem discursos, nem festinhas beneficentes, nem shows para levantar fundos, nem encontros para debater e assinar tratados.
Ela aceita isso, mas não é isso. 

publicado por pensamentoslucena às 10:56

Agosto 16 2012

 

 

 

 

A beleza de uma mulher não está nas roupas que ela usa, na imagem que ela carrega, ou a maneira que ela penteia os cabelos.

A beleza de uma mulher tem que ser vista a partir dos seus olhos porque essa é a porta para o seu coração, o lugar onde o amor reside.

A beleza de uma mulher não está nas marcas do seu rosto.

A beleza de uma mulher está refletida na sua alma, está no cuidado que ela, amorosamente, tem por si, pelos outros, e também na paixão que ela demonstra.

E a beleza de uma mulher, com o passar dos anos, apenas cresce.

publicado por pensamentoslucena às 10:47

Agosto 16 2012

 

 

 

 

 Um menino passeava com seu avô por uma praça de Paris.

A determinada altura, viu um sapateiro sendo destratado por um cliente,  cujo calçado apresentava um defeito. O sapateiro escutou calmamente a reclamação,  pediu desculpas, e prometeu refazer o erro.

Pararam para tomar um café num bistrô.

Na mesa ao lado, o garçom pediu que um homem,  com aparência de importante, movesse um pouco a cadeira, para abrir espaço. O homem irrompeu numa torrente  de reclamações, e negou-se.

- Nunca esqueça do que viu - disse o avô - O sapateiro aceitou uma reclamação, enquanto este homem ao nosso lado não quis mover-se.

Os homens úteis, que fazem algo útil, não se incomodam de serem tratados como inúteis. Mas os inúteis sempre se julgam importantes, e escondem toda a sua incompetência atrás da autoridade...

publicado por pensamentoslucena às 10:25

Agosto 16 2012

 

 

 

 

 

Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e sobre ela um cacho de bananas.

Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão.

Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam e enchiam de pancada. Com mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.

Então, os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não subia mais a escada.

Um segundo macaco foi substituído e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo na surra ao novato.

Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto, e afinal, o último dos veteranos foi substituído.

Os cientistas então ficaram com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas.

Se fosse possível perguntar a algum deles porque eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:

"Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui".

MORAL DA HISTÓRIA: Assim é na vida. Muitas vezes fazemos alguma coisa errada por achar que isso é normal, ou porque outras pessoas também o fazem. Mas nem sempre paramos para refletir sobre as conseqüências daquilo que fazemos.

publicado por pensamentoslucena às 10:14

Pensamentos, reflexões e otimismo para seu dia!!!
mais sobre mim
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
18

19
25

26


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO