Pensamentos

Agosto 19 2015

imagesSUZPSLLC.jpg

 

Flexibilidade é capacidade de adaptação, seja a situações comuns ou na superação de desafios.

 

Pessoas flexíveis são procuradas pelas empresas, pois agregam valor devido a postura receptiva a mudanças. São capazes de rever posições, conceitos, planejamentos, estratégias e atitudes. Vivem em constante renovação na mente!

 

Já nas relações interpessoais, a flexibilidade é acompanhada pela cortesia e doçura, é a leveza do convívio. É agradável conviver com uma pessoa objetiva, fácil de expressar seus sentimentos e pensamentos.

 

Exercitamos flexibilidade quando olhamos atentamente para as pessoas e circunstâncias buscando enxergar oportunidades ao invés de ameaças; quando transformamos comportamentos defensivos em produtivos, assumindo continuamente a responsabilidade de nossas escolhas; quando abrimos mão de um objetivo diante da perda de sua significação, fazendo novas escolhas que correspondam aos objetivos em vigor. Vamos brincar de exercitar flexibilidade em resultados, tempo, palavras, percepção, pensamento e açoes. Quanto mais flexíveis, melhor a comunicação e maior influências sobre os outros.

 

Ser flexível é abrir mão da tendência de controlar as pessoas e circunstâncias, é saber dizer todos os “Sins” e “Nãos” necessários, é ser tolerante diante da perspectiva do novo, é sentir, é se importar.

 

A flexibilidade produz saúde para o corpo, promove equilíbrio para sua alma e paz para seu espírito.

 

Eliana Sicsú

publicado por pensamentoslucena às 12:10

Agosto 19 2015

images5J5BO9RU.jpg

 

Enquanto muitos reclamam dos desafios e complexidades, seja aquela pessoa que simplifica.

Simplicidade não é simplismo. Simplicidade implica tornar as coisas acessíveis e descomplicadas sem que elas percam o significado, os detalhes ou a profundidade. Simplismo é falta de cuidado e seriedade ao tratar qualquer aspecto da realidade. É uma aproximação pobre da realidade, o que faz perder os detalhes e a profundidade das coisas.

 

Sempre que estiver realizando um trabalho pergunte-se: Há outra forma de fazer isso que seja igualmente eficaz e muito mais simples? A vida profissional pode ser menos complicada e mais eficaz. A simplicidade permite fazer mais, melhor e mais rápido, pois tornar simples o que é complexo permite-nos trabalhar mais inteligentemente.

 

Simplifique tudo que for possível! O segredo: "Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos." Exupéry

 

Eliana Sicsú

publicado por pensamentoslucena às 11:03

Agosto 19 2015

as-sete-verdades-do-bambu-1-638.jpg


Depois de uma grande tempestade, o menino que estava passando férias na casa do seu avô, o chamou para a varanda e falou:
Vovô corre aqui! Me explica como essa figueira, árvore frondosa e imensa, que precisava de quatro homens para balançar seu tronco se quebrou, caiu com o vento e com a chuva... este bambu é tão fraco e continua de pé?
Filho, o bambu permanece em pé porque teve a humildade de se curvar na hora da tempestade. A figueira quis enfrentar o vento. O bambu nos ensina sete coisas. Se você tiver a grandeza e a humildade dele, vai experimentar o triunfo da paz em seu coração.
A primeira verdade que o bambu nos ensina, e a mais importante, é a humildade diante dos problemas, das dificuldades. Eu não me curvo diante do problema e da dificuldade, mas diante daquele, o único, o princípio da paz, aquele que me chama, que é o Senhor.
Segunda verdade: o bambu cria raízes profundas. É muito difícil arrancar um bambu, pois o que ele tem para cima ele tem para baixo também. Você precisa aprofundar a cada dia suas raízes em Deus na oração.
Terceira verdade: Você já viu um pé de bambu sozinho? Apenas quando é novo, mas antes de crescer ele permite que nasça outros a seu lado (como no cooperativismo). Sabe que vai precisar deles. Eles estão sempre grudados uns nos outros, tanto que de longe parecem com uma árvore. Às vezes tentamos arrancar um bambu lá de dentro, cortamos e não conseguimos. Os animais mais frágeis vivem em bandos, para que desse modo se livrem dos predadores.
A quarta verdade que o bambu nos ensina é não criar galhos. Como tem a meta no alto e vive em moita, comunidade, o bambu não se permite criar galhos. Nós perdemos muito tempo na vida tentando proteger nossos galhos, coisas insignificantes que damos um valor inestimável. Para ganhar, é preciso perder tudo aquilo que nos impede de subirmos suavemente.
A quinta verdade é que o bambu é cheio de “nós” ( e não de eu’s ). Como ele é oco, sabe que se crescesse sem nós seria muito fraco. Os nós são os problemas e as dificuldades que superamos. Os nós são as pessoas que nos ajudam, aqueles que estão próximos e acabam sendo força nos momentos difíceis. Não devemos pedir a Deus que nos afaste dos problemas e dos sofrimentos. Eles são nossos melhores professores, se soubermos aprender com eles.
A sexta verdade é que o bambu é oco, vazio de si mesmo. Enquanto não nos esvaziarmos de tudo aquilo que nos preenche, que rouba nosso tempo, que tira nossa paz, não seremos felizes. Ser oco significa estar pronto para ser cheio do Espírito Santo.
Por fim, a sétima lição que o bambu nos dá é exatamente o título do livro: ele só cresce para o alto. Ele busca as coisas do Alto.

Essa é a sua meta.
publicado por pensamentoslucena às 10:12

Pensamentos, reflexões e otimismo para seu dia!!!
mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16
22

23
29

30


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO