Pensamentos

Novembro 09 2015

terremoto1.jpg

 

Dizem que passado o terremoto de Lisboa (1755), o Rei perguntou ao General o que se havia de fazer.

Ele respondeu ao Rei: "Sepultar os mortos, cuidar dos vivos e fechar os portos". Essa resposta simples, franca e direta tem muito a nos ensinar.

Muitas vezes temos em nossa vida "terremotos" avassaladores, como o de Lisboa no século XVIII.

A catástrofe é tão grande que muitas vezes perdemos a capacidade de raciocinar de forma simples, objetiva Todos nós estamos sujeitos a "terremotos" na vida.

O que fazer? Exatamente o que disse o General: "Sepultar os mortos, cuidar dos vivos e fechar os portos".

E o que isso quer dizer para a nossa vida?

Sepultar os mortos significa que não adianta ficar reclamando e chorando o passado. É preciso "sepultar" o passado. Colocá-lo debaixo da terra. Isso significa "esquecer" o passado.

Cuidar dos vivos significa que, depois de enterrar o passado, em seguida temos que cuidar do presente. Cuidar do que ficou vivo. Cuidar do que sobrou. Cuidar do que realmente existe. Fazer o que tiver que ser feito para salvar o que restou do terremoto.

Fechar os portos significa não deixar as "portas" abertas para que novos problemas possam surgir ou "vir de fora" enquanto estamos cuidando dos vivos e salvando o que restou do terremoto de nossa vida.

Significa manter o foco no "cuidar dos vivos".

Significa concentrar-se na reconstrução, no novo portanto, quando você enfrentar um terremoto, não se esqueça: enterre os mortos, cuide dos vivos e feche os portos.

publicado por pensamentoslucena às 10:12

Novembro 09 2015

amor-de-verdade-nao-morre-se-morreu-desculpe-me-ma

 

 

O amor não morre. Ele se cansa muitas vezes. Ele se refugia em algum recanto da alma tentando se esconder do tédio que mata os relacionamentos. Não é preciso confundir fadiga com desamor. O amor ama. Quem ama, ama sempre. O que desaparece é a musicalidade do sentimento. A causa? O cotidiano, o fazer as mesmas coisas, o fato de não haver mais mistérios, de não haver mais como surpreender o outro.

São as mesmices: mesmos carinhos, mesmas palavras, mesmas horas... o outro já sabe! Falta magia. Falta o inesperado. O fato de não se ter mais nada a conquistar mostra o fim do caminho. Nada mais a fazer. Muitas pessoas se acomodam e tentam se concentrar em outras coisas, atividades que muitas vezes não têm nada a ver com relacionamentos.

Outras procuram aventuras. Elas querem, a todo custo, se redescobrir vivas; querem reencontrar o que julgam perdido: o prazer da paixão, o susto do coração batendo apressado diante de alguém, o sono perdido em sonhos intermináveis e desejos infindos. Não é possível uma vida sem amor. Ou com amor adormecido. Se você ama alguém, desperte o amor que dorme!

Vez ou outra, faça algo extraordinário. Faça loucuras, compre flores, ofereça um jantar, ponha um novo perfume... Não permita que o amor durma enquanto você está acordado sem saber o que fazer da vida. Reconquiste! Acredite: reconquistar é uma tarefa muito mais árdua do que conquistar, pois vai exigir um esforço muito maior. Mas... sabe de uma coisa? Vale a pena! Vale muito a pena!

 

Letícia  Thompson

publicado por pensamentoslucena às 09:56

Novembro 09 2015

profundo5.jpg

 

Deus me ama tão profundamente, que:

Não me livra dos problemas que eu preciso enfrentar, para amadurecer e me sentir mais forte.

Não me poupa das tristezas e decepções, que são necessárias para o meu crescimento.

Deus me ama tão profundamente, que:

Me permite experimentar a dor física e a dor da alma, para que eu me torne cada vez mais sensível e mais humana.

Não tem me dado uma vida de riquezas e nem de facilidades.

Mas também não tem me dado uma vida de pobreza extrema e nem de necessidades.

Ele me dá uma vida, onde eu possa ter, na medida certa, tudo que preciso para viver com honestidade.

Ele me fez entender que o meu tempo aqui é curto, para acumular coisas desnecessárias à minha espiritualidade.

Ele tem me dado, principalmente, o que eu posso levar comigo, quando eu partir, e entregar a Ele, no momento do nosso encontro.

Deus, em sua suprema sabedoria, sabe o que eu preciso para ser feliz.

Ele sabe que a minha felicidade não está nas coisas materiais.

Ele sabe que se eu tivesse uma vida de riquezas, provavelmente, eu daria tanto valor as futilidades que até me esqueceria Dele.

E se eu esquecesse Dele, logo chegaria um dia em que eu me sentiria extremamente infeliz.

Repleta de valores materiais, mas vazia por dentro.

Deus me ama tão profundamente, que:

Tem feito de mim, uma pessoa forte, esforçada, lutadora, que sonha, que chora, que cai e se levanta, que olha pra cima, e que vê longe…

Muito além do que se pode tocar com as mãos.

Tem feito de mim, uma pessoa que busca dar a sua parcela de contribuição para a vida. E que vive para realizar o que anseia espiritualmente. Mesmo que sozinha. Porque sozinha nunca estarei.

Tenho o profundo amor de Deus comigo.

Deus me ama tão profundamente, que me fez entender:

Que o tempo que eu perco nas minhas lutas diárias, que a dor física e a dor da alma me aproxima mais Dele.

Que nas minhas tristezas e decepções ele está sempre comigo.

Que bom!

Que não consiga nada com tanta facilidade! Porque assim, eu consigo valorizar minhas pequenas conquistas.

Que eu tenho problemas para enfrentar!

Porque assim eu aprendo, evoluo e amadureço.

Que bom!

Que eu tenho momentos de tristezas, para que depois, eu possa festejar a minha alegria!

Que eu não tenho nada do que reclamar, tenho somente o que agradecer a Deus por tudo!

Que Deus não se esquece de mim!

O Senhor, em sua suprema sabedoria, sabe o que eu preciso para ser feliz.

 

Texto de Lisiê Silva

publicado por pensamentoslucena às 08:33

Pensamentos, reflexões e otimismo para seu dia!!!
mais sobre mim
Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
20
21

22
28

29


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO